Vila Nova de Poiares - Fraga

 

 

 

 
 
 
croqui poiares A41
 
croqui poiares A42
 
 
 

ZONA DE ESCALADA DA FRAGA, Vila Nova de Poiares

Uma zona de escalada quase exclusiva para iniciação e para os diferentes níveis etários nem sempre é fácil encontrar no nosso país e mesmo as vias de grau mais acessível dos sectores de escalada que encontramos nem sempre permitem a iniciação para os mais jovens. É comum em França, Espanha e em toda a Europa encontrar em muitas zonas de escalada, vias que proporcionam o ambiente familiar com muitas crianças a escalar de forma autónoma. Quando mergulhamos na realidade portuguesa não encontramos isso tão facilmente. Não será um dos fatores que condicionam a evolução da escalada em Portugal?

A FPME tem presente que para o desenvolvimento de uma zona de escalada com tais características, é necessária a parceria com entidades públicas, municípios, clubes entre outros organismos para que assim se cumpram os desígnios a que a Federação se propõe para o desenvolvimento da modalidade.

Recuemos um pouco até ao início de 2018.


16

Numa conversa antiga com o José Miguel Pereira (autor da primeira via no Penedo da Desgraça) falou-se de uma falésia em Vila Nova de Poiares com potencial para abertura de vias de desportiva. Aproveitando um dos momentos em que tais memórias vêm à cabeça, decidi visitar o local. 

 Chegado a Vila Nova de Poiares, na rotunda que demarca a interseção da famosa Nacional 2 com a EN17, avistei uma linha de cumeada à minha esquerda e deduzi que seria o local que correspondia à descrição do José Miguel. Já na EN17, perto do local, rumei à minha direita em direção ao “Complexo de Piscinas da Fraga”. Continuando na estrada principal até à aldeia de Alveite Grande, deparei-me com uma falésia de quartzito, estacionei o carro e na estrada orientado de frente para a dita falésia, a uma distância de aproximadamente 100 metros, apreciei de facto a existência do potencial, “agora faltava confirmar”. Feita a aproximação ao sector principal surgiram-me algumas dúvidas, não pela qualidade da rocha e da escalada, mas sim pelo investimento de material e empenho que seriam necessários para a criação de uma zona de escalada. 

20

Após ter reconhecido o sector mais evidente, fiz uma abordagem aos afloramentos rochosos mais acima e fui surpreendido por uma pequena falésia, escondida por sobreiros queimados e por jovens eucaliptos, que rompiam as terras sofridas pelo violento incêndio de outubro de 2017. Descrevendo a surpresa ao ver a pequena falésia, se me permitem, veio-me à memória uma experiência de escalada em Ailefroide (França), num sector de vias de placa onde observei crianças com idades de 8 a 10 anos perfeitamente autónomas a escalar. Realidade muito rara em Portugal, infelizmente. Voltando ao potencial sector de escalada, não de vias de dificuldade, mas sim de iniciação à prática, este sector poderia servir muito bem para o enquadramento da modalidade para os mais jovens.

No entanto, a pretensão em dar vida a uma nova zona de escalada ficaria a marinar por algum tempo, seria necessário encontrar tempo, motivação e meios. Na realidade, ao refletir sobre o que vi, rapidamente cheguei à conclusão que para este local serviria um projeto entre a Federação e a Autarquia.

Por coincidência no final do verão de 2018, surgiu um contacto por parte da Câmara Municipal de Vila Nova de Poiares para desenvolver um projeto com a FPME envolvendo a escalada. Agendámos a visita e em conversa com o técnico de desporto falámos das falésias junto ao “Complexo de Piscinas da Fraga” e no local explicámos que estas poderiam ter de facto um potencial para a iniciação à modalidade com características e valências muito próprias.

12

Aliado a este projeto está também a dinâmica emergente relativamente à escalada em rocha sob a égide da FPME, com iniciativas regulares e estruturadas promovidas por uma equipa multidisciplinar de técnicos voluntários. Passou o inverno, já em 2019, com uma equipa de trabalho e com ideias e objetivos bem definidos, lançamo-nos no primeiro projeto de equipamento de uma zona de escalada dirigido pela FPME, onde o desafio em dar vida a uma nova zona de escalada com tais caraterísticas, coloca-nos perfeitamente alinhados com o desígnio acima referido.

          A Zona de Escalada da Fraga situa-se na freguesia de São Miguel, em Vila Nova de Poiares e nasceu da parceria entre a Câmara Municipal de Vila Nova de Poiares e a Federação Promotora de Montanhismo e Escalada com o objetivo de proporcionar aos praticantes, mais uma possibilidade de prática de escalada na zona centro do país. 

No entanto, as particularidades da rocha e das vias propriamente ditas permitem o contacto com modalidade para diferentes níveis de experiência dos escaladores, sendo que, a maioria das vias são para o nível de iniciação, estabelecendo assim, uma identidade própria.

A experiência em praticar escalada na Zona de Escalada da Fraga pode ir de encontro ao enquadramento com crianças, jovens e até adultos que estão na fase de iniciação da modalidade, permitindo também uma evolução do nível de escalada. Aliada à escalada está também o lazer, nomeadamente nos meses de verão, com a visita ao complexo de Piscinas da Fraga a pouco mais de cinco minutos a pé.

0708Localizados na proximidade do complexo de Piscinas da Fraga, os afloramentos rochosos de quartzito, têm uma orientação de leste o que possibilita a prática da escalada em quase todo o ano. Nos dias soalheiros de inverno a prática pode realizar-se nos períodos da manhã e nos períodos da tarde nos meses mais quentes do verão.

Nos quatro setores de escalada, o tipo de presa predominante é a “reglete”, sendo que no setor de iniciação as presas são mais ”generosas”, dando a este setor um  perfil para a iniciação e introdução da modalidade nas faixas etárias mais jovens - as vias de escalada, permitem o primeiro contacto e enquadramento junto de crianças e jovens e, mesmo para adultos que estão a iniciar a modalidade. 

No setor “Miradouro”, podemos contemplar a vista não só perante o Vale da Fraga mas também para Vila Nova de Poiares. Neste setor encontram-se cinco vias com dificuldades do IV+ ao 6c. Altura das vias: 8 a 10 metros.

Segundo a lenda, numa pequena gruta de um dos penedos do Monte da Fraga, viveu um mouro com a sua família, daqui derivando o nome do “Penedo Mouro”, neste setor estão equipadas duas vias na gruta com uma dificuldade superior (6c e 7a). Altura das vias: 8 metros.

01No lado oposto do vale, existe um outro penedo que segundo os populares, a designação de “Penedo da Desgraça”, deve-se ao facto da dificuldade em vencer o desnível na busca de lenha e pasto para os animais. 

Aqui encontra-se a maior concentração de vias, 19 no total, ofeecendo aos praticantes, vias de qualidade e diversidade técnica até à dificuldade de 7b+. Ainda neste sector, encontra-se a primeira via de escalada aberta nesta escola, no ano de 2007, por José Miguel Pereira. A via “Zé Cogumelo” é uma via de autoproteção, sendo necessários os respetivos equipamentos - a reunião está equipada. Altura das vias: 10 a 18 metros.

10A “Rua Sésamo” é o ex-libris desta zona para a iniciação à escalada, oferecendo aos praticantes de todas as faixas etárias, quinze vias com dificuldade do III grau ao 6a - é sem dúvida o sector onde o conceito “escalada em família” serve na perfeição. Tem a particularidade da existência de duas vias que permitem a iniciação à escalada “multi-largos”. Altura das vias: 5 a 15 metros.

Participaram neste projeto: Filipe Cardinal, João Évora, Rodrigo Lemos, Francisco Crisanto, Luís Belo, Bruno Gaspar, Natália Pereira, Sérgio Sá, Marco Cunha e Margarida Silva.

            Agradecemos o envolvimento, empenho e recursos disponibilizados pela Câmara Municipal de Vila Nova de Poiares e Junta de Freguesia de São Miguel de Poiares para a concretização de todas as fases deste projeto. Por fim um agradecimento especial ao fotógrafo Fábio Silva pela ajuda na captação de imagens. 

Bruno Gaspar

18

 


VISITANTES

HojeHoje1498
OntemOntem3142
Este MêsEste Mês68582
TOTALTOTAL2267337

Facebook Photo Albums